Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







23 de jun de 2016

2º TRIMESTRE DE 2016 - LIÇÃO 13 - 26/06/2016 - "O CULTIVO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 13 - DATA 26/06/2016
TÍTULO: “O CULTIVO DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
TEXTO ÁUREO – Rm 16.27
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Rm 16.1-16

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO




Romanos 16 - E. Recomendações de Febe. 16:1-2.



1. Ao recomendar Febe, Paulo diz quem ela é e de onde ela vem. Era uma diaconisa da igreja da Cencréia. Suas obrigações, como a dos diáconos, eram muito generalizadas. Necessidades materiais e também espirituais de outros eram atendidas por crentes como Febe (cons. Atos 6:1-6 com Atos 6:8-15 e 7:1-60).




2. Paulo pede aos romanos que a recebam no Senhor, como convém aos santos, e que a ajudem em tudo o que vier a precisar. Ela merecia tal acolhida, Paulo declara, porque tem sido protetora de muitos e ao próprio Paulo também. Este capítulo refuta a idéia de que Paulo não gostava de ver mulheres trabalhando nas igrejas ou entre os crentes. Seu tributo prestado a Febe é seguido de saudações a várias pessoas e grupos. Entre as pessoas saudadas estão oito mulheres. Paulo comenta especificamente o trabalho de cinco dessas mulheres (Maria, v. 6; Priscila, uma cooperadora, v. 3; Trifena e Trifosa, v. 12; Pérside, v. 12). A mãe de Rufo é tão querida de Paulo que ele a chama também de mãe (v. 13). Só duas mulheres são mencionadas sem comentários – Júlia e a irmã de Nereu (v. 15). 




Saudações Particulares a Indivíduos e Grupos. 16:3-16.



3. A freqüência desses nomes nas catacumbas e inscrições dos antigos cemitérios de Roma e o significado destas informações, são bem comentadas.



4. Paulo começa com dois dos seus mais queridos amigos – Priscila e Áqüila. Desde que Paulo os conheceu em Corinto na sua segunda viagem missionária, eles continuaram trabalhando esforçadamente serviço de Deus (veja Atos 18:2, 18, 26; Rm. 16:3, 4; I Co. 16:19; lI Tm. 4:19).



4. Como exatamente arriscaram suas vidas pela vida de Paulo, ele não diz. Mas o fato de que, além de Paulo, todas as igrejas gentias agradeciam por eles, mostra a extensão dos seus esforços por amor de Cristo.




5a. Paulo saúda a igreja em casa deles. Isto prova que o zelo de ambos por Cristo, em Roma, não diferia do que fora em outros lugares. Igrejas se reunindo em casas de família provavelmente também se encontram em 16:10, 11, 14, 15. Se for assim, então a menção de cinco 1grejas domésticas, faz-nos entender que os cristãos em Roma, eram membros de pequenos grupos e não de uma só e grande assembléia.



5b. Epêneto foi saudado como o primeiro converso da Ásia Menor.



7. Andrônico e Júnias eram conterrâneos de Paulo, que estiveram com ele na cadeia em alguma ocasião. Paulo descreve-os como pessoas notáveis entre os apóstolos e cristãos antes dele próprio. Isto pode significar que eles já eram crentes há cerca de vinte e cinco anos.




13. Uma vez que, o que é escolhido também pode ser considerado destacado ou excelente, Rufo, eleito no Senhor, também poderia ser traduzido para: "Rufo, cristão notável" .



16. A ordem saudai-vos uns aos outros com ósculo santo (cons. I Co. 16:20; lI Co. 13:12; I Ts. 5:26) ou com ósculo de amor (I Pe. 5:14) mostra que uma fervorosa comunhão cristã era característica da igreja primitiva. Seja o que for que, na cultura moderna, seja característica de profunda afeição cristã – um beijo no rosto, um sincero aperto de mão, um segurar de ambas as mãos, etc. - é o equivalente da ordem apostólica.




JESUS E AS MULHERES: A MULHER ISRAELITA NA SOCIEDADE DO A.T.


ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO ÀS MULHERES - (Gn 1:26-27) - A mulher não foi um produto secundário da criação, uma espécie de idéia posterior. HOMEM E MULHER, JUNTOS, CONSTITUEM A IMAGEM DE DEUS. ESSA IMAGEM SÓ FICOU COMPLETA DEPOIS QUE EVA FOI CRIADA.



Muitas mulheres hebréias tinham uma participação ativa no relacionamento familiar e comunitário, eram criativas e expressavam suas opiniões: Por exemplo:

JOQUEBEDE (Ex 2 - teve a iniciativa de salvar o seu filho, tomando as providências necessárias para isso);



SARA E RAABE - Mulheres de grande fé, foram elogiadas na famosa lista dos grandes heróis da fé (Hb 11)



ANA (I Sm 1:1-25 - Tomou uma atitude, fazendo uma aliança com Deus para ter um filho);



DÉBORA (Jz 4:6-9 - ocupou posição de liderança entre o povo de Israel, ajudando a orientar um exército)



MIRIÃ - Ocupava uma alta posição no comando de Israel, vindo logo abaixo de Moisés e Arão;



ESTER - Tornou-se rainha da Pérsia e, com muita coragem, conseguiu abortar um genocídio de judeus



HULDA - (II Rs 22:14-20 - Foi uma profetisa a quem o rei Josias consultou, e que lhe entregou a mensagem de Deus para ele)



A MULHER IDEAL (Pv 31:10-31 - Ela supervisiona bem sua casa, com seus muitos serviços e tudo o mais, confecciona roupas, dirige um negócio e compra um terreno. Trata-se da mulher que detém uma ampla gama de responsabilidades e de oportunidades)



ASSIM, O JUDAÍSMO NÃO IMPEDIU QUE ESSAS MULHERES OCUPASSEM POSIÇÕES DE COOPERADORAS.


No caso de um homem e uma mulher serem surpreendidos em adultério, AMBOS DEVERIAM SER APEDREJADOS (Dt 22:22)

RESTRIÇÕES IMPOSTAS À MULHER - Israel era uma sociedade definidamente patriarcal. Em geral, os homens eram os chefes da família e do governo. EMBORA AOS OLHOS DE DEUS A MULHER FOSSE DE IMPORTÂNCIA IGUAL À DOS HOMENS, ESSES NÃO AS VIAM ASSIM.



ALGUMAS LEIS QUE IMPUNHAM RESTRIÇÕES À MULHER EM SUAS ATIVIDADES, EM SUA ATUAÇÃO SOCIAL E EM SEU VALOR PESSOAL BÁSICO:



SÓ OS HOMENS PODIAM SER DONOS DE ALGUMA PROPRIEDADE. UMA MULHER SÓ PODIA HERDAR OS BENS DE SEUS PAIS SOMENTE NO CASO DE NÃO HAVER FILHO DO SEXO MASCULINO (Nm 27:8)



SE UMA MULHER FIZESSE UMA PROMESSA OU JURAMENTO, SÓ PODERIA MANTÊ-LOS SE O MARIDO CONCORDASSE (Nm 30:1-12)



SE UMA MULHER NÃO TIVESSE FILHOS, LOGO SE SUPUNHA QUE O PROBLEMA ESTAVA RESTRITO A ELA E QUE ISSO ERA SINAL DE QUE DEUS NÃO SE AGRADAVA DELA (Gn 30:1, 2, 22)



A MULHER TINHA QUE TER AS PROVAS DE SUA VIRGINDADE (Dt 22:20-21). Para o homem isso é impossível.



O VALOR MONETÁRIO ATRIBUÍDO À VIDA DE UMA MULHER EQUIVALIA À METADE DO VALOR ATRIBUÍDO À DO HOMEM (Lv 27:1-8)



OS QUE ACHAVAM QUE AS MULHERES ERAM PROPRIEDADE DE ALGUÉM CRIAM TAMBÉM QUE ELAS ERAM MUITO SIMPLES E PRECISAVAM DE PROTEÇÃO. POR CAUSA DISSO, NÃO SE ESTIMULAVA A EDUCAÇÃO EXTRA-FAMILIAR PARA ELAS: E ERAM MUITO POUCAS AS QUE TINHAM UMA CARREIRA PRÓPRIA.



MUITAS SE CASAVAM TRANQÜILAMENTE SEM QUESTIONAR NADA E AS QUE NÃO SE CASAVAM, CONTINUAVAM DEBAIXO DA AUTORIDADE E PROTEÇÃO DO PAI.



OS PAIS GOSTAVAM MAIS DE TER FILHOS DO SEXO MASCULINO DO QUE DO FEMININO. ESSA ATITUDE TINHA REFLEXOS NO BAIXO VALOR ATRIBUÍDO À MULHER.



1ª OBS : Isso não quer dizer que os homens não amassem sua esposa ou filhas e, por vezes, não as tratassem de igual para igual (Por exemplo: JACÓ - Gn 29:15-30 - ELE TRABALHOU 14 ANOS PARA SE CASAR COM RAQUEL).



2ª OBS: Quando um homem maltratava ou humilhava sua mulher, muitas vezes era repreendido pelo pai e irmãos dela.




A ATITUDE DE JESUS PARA COM AS MULHERES



O fato de Jesus se relacionar bem com as mulheres, criou muitas oportunidades para interpretações errôneas. Seus acusadores teriam ficado muito satisfeitos se tivessem podido atribuir-lhe atos de imoralidade e de conduta imprópria. No entanto, Jesus revelou grande coragem quando ignorou as barreiras sociais existentes e exerceu um ministério vital e pessoal junto a essas mulheres. Os riscos que Ele correu tornam-se ainda mais sérios pelo fato de alguns críticos modernos distorcerem Seu trabalho entre elas.



Hoje é muito difícil levantar todo o leque de sentimentos e preconceitos que existiam contra o sexo feminino, nos dias de Cristo. Mas, analisando-se algumas das atitudes que Ele tomou, podemos captar um pouco do aspecto revolucionário que caracterizou muito de seus atos.




JESUS ACEITOU MULHERES EM SEU GRUPO DE DISCÍPULOS



A mulher não podia ter participação ativa nos cultos;
Nas sinagogas, deveriam sentar-se no fundo;



Em vez de participar dos atos religiosos, elas tinham que se manter a certa distância dos homens;



Em muitas sinagogas, elas não podiam ler nem ter nenhum outro tipo de atuação



Jesus, simplesmente, ignorou essa atitude geral dos judeus ortodoxos, contrária à mulher, e deu início a uma era de total participação feminina. No reino de Deus, todas as pessoas têm acesso total a Ele.




JESUS ENSINOU VERDADES ESPIRITUAIS ÀS MULHERES



No conceito de Cristo, o papel da mulher não era limitado apenas ao trabalho na cozinha e à tarefa de manter as crianças em silêncio;



Alguns dos seus mais profundos ensinamentos foram transmitidos às mulheres (Por exemplo: A MULHER SAMARITANA (Jo 4) e à MARTA e MARIA (Jo 11);



Jesus rejeitou a idéia de que a mulher não era inteligente, idéia essa que levava os antigos a achar que ela não deveria ter direito à educação, exceto a relacionada com as tarefas domésticas



Os discípulos de Jesus assumiram a mesma postura do Mestre, pois sabemos que uma das maiores reuniões de oração da Igreja primitiva foi assistida por crentes de ambos os sexos (At 1:14)



JESUS ENTROU EM CASA DE MULHERES



Jesus enfrentou o perigo de ser difamado, mas decidiu correr o risco de expor-se à duras críticas, comprometendo o Seu bom nome (Lc 10:38);

CONVERSAVA COM MULHERES EM PÚBLICO



Cristo sentia total liberdade de conversar com mulheres em público, mas os discípulos não absorveram de imediato esse seu exemplo (Jo 4:27)



Muitos rabis davam grande importância à tese de que uma mulher não poderia conversar com desconhecidos em público. Se um homem de certa posição, falasse com uma mulher em local onde pudessem ser vistos, isso era considerado um ato escandaloso. Algumas das autoridades achavam que este gesto era motivo para divórcio imediato;



Na época dos festejos religiosos, as mulheres tinham que permanecer dentro de casa: As solteiras teriam que ficar no interior da moradia; já as casadas, poderiam chegar até à porta



Os mais extremistas era de opinião que na rua o homem não podia conversar nem com a própria esposa. Só um indivíduo fora do juízo normal conversaria com desconhecidas;



Aquele que se encontrasse com uma mulher a sós era um irresponsável



OBS:- TAIS CONCEITOS NÃO ERAM IMPOSTOS PELA LEI JUDAICA; ERAM PROPOSIÇÕES DOS LÍDERES RELIGIOSOS.




JESUS PERMITIA QUE AS MULHERES TOCASSEM NELE



A melhor atitude que Jesus poderia tomar com vistas à sua segurança, seria procurar evitar contatos com mulheres;



O fato de haver mulheres em seu grupo de seguidores já não era bom e, ainda por cima, permitir que elas tocassem nEle parecia grande imprudência de Sua parte;



Jesus permitiu que uma mulher não apenas lavasse os pés dEle, mas também os beijasse (Lc 7:38) no que provavelmente contrariou o padrão de conduta estabelecido




AS PROSTITUTAS SE APROXIMAVAM DE JESUS



Jesus não aprovava a atividade dessas mulheres, mas ao que parece, tinha pena delas, pois o Seu ministério era permeado de perdão e amor;



João Batista também conquistou a atenção delas, já que pregava arrependimento e perdão (Lc 3:3; Mt 21:32)



Embora muitas meretrizes demonstrassem esperanças de recuperação, os fariseus achavam que elas não deveriam receber nenhum apoio (Mt 21:31-32)



Jesus preferia pregar a mulheres promíscuas, como é o caso da que conversou com Ele junto ao poço de Samaria (Jo 4) - Não é de admirar, pois, que as pessoas dessa classe desprezada, se sentissem atraídas para o Messias.




UMA REVOLUÇÃO



O apóstolo Paulo faz uma declaração muito forte no sentido de que as mulheres não sejam encaradas como mera propriedade do homem (I Cor 7:1-7; Ef 5:25)



Pedro diz aos homens que eles tinham que tratar a esposa com dignidade e que, se não o fizessem, suas orações não seriam atendidas (I Pe 3:7)



Embora a maioria da liderança oficial fosse constituída de homens, a Igreja de modo geral contava com inúmeras mulheres:



LÍDIA - Aceitou a mensagem do evangelho prontamente (At 16:14, 40)




PRISCILA - Instruiu Apolo, um poderoso pregador (At 18:24 e ss)




Paulo elogiou as mulheres que participaram no ministério (Rm 16:1-4; 6-7, 12, 13, 15)




As quatro filhas de Felipe eram profetisas (At 21:9)


AS MULHERES E O MINISTÉRIO DE CRISTO



No sentido espiritual, Jesus considerava muitas mulheres como Sua mãe (Mc 3:35)



Maria Madalena era uma das mulheres que acompanhavam Jesus e seus discípulos em suas viagens de evangelização de um povoado a outro (Lc 8:1-3); por ocasião da morte de Jesus, Maria Madalena foi uma das que estiveram presentes no Calvário, apesar dos perigos que corriam os seguidores de Cristo em Jerusalém (Jo 19:25-27). Depois, foi uma das que encontraram o túmulo vazio e a primeira a ver o Senhor ressuscitado (Jo 20:1-2, 11-18)



Maria de Betânia era uma pessoa sensível, contemplativa, que se sentou aos pés de Jesus para ouvir seus ensinamentos (Lc 10:38), para receber consolo (Jo 11:32-33) e para lavar a cabeça de Jesus com um perfume caríssimo (Mt 26:7)



Apesar de algumas terem cometido graves delitos, existe a referência a quatro heroínas que foram agraciadas com o perdão e a redenção pela fé no sacrifício vicário de Cristo e fazem parte de sua genealogia: (Mt 1:3-6)



Maria, a mãe de Jesus, foi escolhida para o cumprimento da promessa de Gn 3:15 e das demais profecias relacionadas ao Messias. Essa humilde serva de Deus agasalhou em seu ventre o Verbo de Deus, amamentou-o, acalentou-o em seus braços, viu-o crescer, desenvolver-se, iniciar o Seu glorioso ministério terreno e morrer na cruz como Cordeiro de Deus



Jesus nunca teve preconceitos contra as mulheres, parando para evangelizar uma delas (Jo 4:27)



Jesus ofereceu à mulher o amor e o perdão, mesmo contrariando seus líderes que a desprezavam (Lc 7:36-50)



Jesus acolheu a mulher como uma das filhas de Abraão, opondo-se aos dirigentes que a expulsavam (Lc 13:10-17)



Jesus recebeu a mulher, mesmo sendo considerada impura e, sem qualquer censura, curou-a de sua doença (Mc 5:25-34)



Jesus defendeu a mulher contra os fariseus que queriam matá-la a pedradas num linchamento popular, dando-lhe o perdão (Jo 8:2-11)



Jesus revelou pela primeira vez o segredo de ser o Messias prometido a uma mulher samaritana desprezada como herética (Jo 4:25-26)



Jesus incluiu as mulheres em seus ensinamentos (Mt 25:1-2; Lc 13:20-21; 15:8-10; 18:2-3)



Jesus aceitou mulheres em Seu ministério (Mt 27:55-56; Lc 8:1-3)



Jesus deixou-se ungir por uma mulher, aceitando a voluntariedade dela (Lc 10:38-39)



A FILHA DE JAIRO E A MULHER COM O FLUXO DE SANGUE - Algumas ligações entre os dois incidentes são óbvias. Por um lado, ambos dizem respeito a Jesus ministrando a mulheres (JESUS E AS MULHERES): uma delas é adulta e a outra, uma criança. Ambas se encontram desamparadas, em estado desesperador. Uma delas aparentemente sofre de doença incurável, enquanto a outra aparece, primeiro, em estado terminal e, logo depois, morta. Outro fato que liga ambos os incidentes é o número 12: a mulher sofre há doze anos e a menina tem doze anos de idade.

A mulher, que de acordo com a lei religiosa israelita, seria considerada imunda e socialmente inaceitável por causa da sua condição patológica, é libertada de seu estado de desamparo a que a própria lei a condenou. E, embora as exigências rituais judaicas lhe proibissem tocar qualquer coisa sagrada, ela se liberta precisamente pelo fato de tocar no Santo Jesus, o Filho de Deus!

OBS:- Merece atenção o fato de que nos momentos mais cruciais da vida de Jesus, como sua prisão, morte e sepultamento, as mulheres foram suficientemente corajosas para permanecer ao lado dEle. Mas em compensação, também foram as primeiras a gozar da enorme alegria de ver as evidências da Sua ressurreição. (Mt 2755-61; 28:1-6; Mc 15:46-47; Lc 23:49, 55-56; 24:1; Jo 19:25; 20:1-18)