Loading...

COMENTE

Caro Leitor,

Caso queira, na parte final de cada um dos Subsídios, você tem a liberdade de fazer seu comentário. É só clicar na palavra "comentários" e digitar o seu. Não é preciso se identificar. Para isto, após o comentário, click em "anônimo" e pronto. Que Deus continue abençoando sua vida, em nome de Jesus.







2 de jul de 2015

3º TRIMESTRE DE 2015 - LIÇÃO Nº 01 - 05/07/2015 - "UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA"

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL
IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA
NITERÓI - RJ
LIÇÃO Nº 01 - DATA: 05/07/2015
TÍTULO: “UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA"
TEXTO ÁUREO – I Tm 4.12
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: I Tm 1.1-2; Tt 1.1-4

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO
e-mail: geluew@yahoo.com.br
blog: http://pastorgeraldocarneirofilho.blogspot.com/








I - INTRODUÇÃO:



A 1ª Carta a Timóteo apresenta Jesus Cristo como nosso Mestre.



A 2ª Carta a Timóteo apresenta Jesus Cristo como nosso Exemplo.



A Carta escrita a Tito apresenta Jesus Cristo como nosso Modelo, Senhor e Mestre.



1ª e 2ª Timóteo e Tito são três epístolas pastorais, escritas a ministros responsáveis por Igrejas importantes, em vez dirigidas às próprias Igrejas. Tanto Timóteo como Tito receberam instruções explícitas para pastorear o rebanho e cuidar das Igrejas, depois da partida de Paulo que já sabia estar próxima (II Tm 4.6-8). A Timóteo tinha sido confiado o governo e a supervisão de Éfeso, e a Tito, a de Creta. Como esses dois jovens se sentiam inadequados para a tarefa!



II - A PRIMEIRA EPÍSTOLA A TIMÓTEO:



A primeira carta a Timóteo toma o número 54 pela ordem canônica da Bíblia e o número 15 do Novo Testamento. É a décima carta escrita por Paulo. Esta não é dirigida a uma igreja, mas a um pastor; por isso, está entre as chamadas cartas pastorais.



AUTOR: Paulo foi o autor, escrevendo a carta no ano 65 d.C.. Escreveu-a em Macedônia, com o propósito de advertir Timóteo contra as falsas doutrinas. A epístola é composta de 6 capítulos com 113 versículos.



Timóteo significa ADORANDO A DEUS. Era filho de mãe judia e pai grego (At 16.1); sua mãe era uma crente fervorosa (II Tm 1.5).



NOTA: Paulo havia sido solto de sua primeira prisão em Roma, conforme ele muito almejava (Fp 2.24).. Por certo teve permissão de empreender importante viagem, passando por Éfeso, onde deixou Timóteo como pastor e seguiu para Macedônia, lugar em que escreveu esta carta (I Tm 1.3).



Não sabemos os motivos de sua segunda prisão. Foi preso como um malfeitor (II Tm 2.9) e desta prisão chamou Timóteo urgentemente (II Tm 4.9). O próprio Timóteo foi preso e posteriormente solto (Hb 13.23).



DIVISÃO: Esta epístola se divide em duas partes:



(1) - O perigo da falsa doutrina - Capítulos 1 e 2; e



(2) - Instruções pastorais e exortações - Capítulos 3, 4, 5 e 6.




III - A SEGUNDA EPÍSTOLA A TIMÓTEO:



A segunda epístola de Paulo a Timóteo é a sua terceira carta pastoral, apesar de estar colocada em segundo lugar na ordem canônica. Foi escrita depois de Paulo redigir a carta a Tito. Os ensinos e os exemplos apresentados pelo apóstolo nesta carta nos encorajam a lutar. Ela é considerada uma das mais importantes pastorais.



AUTOR: Paulo foi o seu autor (II Tm 1.1-2). Ao escrevê-la, estava preso e sozinho, com exceção de Lucas (II Tm 4.9-11). Não sabemos o tempo que durou esta prisão; cremos que o prazo foi curto. O período entre as duas prisões, Paulo passou na Ásia. De Creta, navegou por Nicópolis. Era seu desejo invernar ali, o que não aconteceu. Deixou Timóteo doente em Mileto (II Tm 4.20) e viajou a Troas, ficando em casa de Carpo, onde se admite que foi preso por agentes do imperador, por certo acusado de tomar parte no incêndio de Roma. A sua prisão foi repentina: não lhe deu tempo apanhar seus objetos principais. Após chegar a Roma, escreveu a Timóteo que os trouxesse (II Tm 4.9-13).



DATA: Foi escrita de Roma, quando aguardava o martírio, cerca do ano 67 d.C.. A primeira prisão foi instigada pelos judeus; a segunda, foi decretada pelo imperador romano.



DIVISÃO: Divide-se o livro em duas partes:



(1) - Exortação a firmeza no ministério - Capítulos 1 e 2; e



(2) - Exortação a perseverar na doutrina - Capítulos 3 e 4.




IV - EPÍSTOLA A TITO:



A Epístola de Paulo a Timóteo é a décima carta do apóstolo e a segunda das pastorais, que são constituídas de: I Tm, Tt e II Tm. A dirigida a Tito é muito semelhante à primeira Timóteo, tudo indicando que foram escritas quase ao mesmo tempo.



Tito era um gentio grego (Gl 2.3), filho na fé de Paulo (Tt 1.4), que foi seu companheiro no Concílio em Jerusalém (At 15); era homem de confiança (II Cor 7.6, 13).



AUTOR: Paulo a escreveu de Macedônia, mais ou menos em 65 d.C.. Quando ele foi solto da primeira prisão, empreendeu uma viagem pela Ásia. Passando por Éfeso, deixou Timóteo ali e seguiu até à Macedônia, aportando em Creta, onde deixou Tito para organizar a Igreja nessa localidade (Tt 1.5). Primeiro escreveu a Timóteo (I Tm 1.3) e logo após a Tito, que permanecia em Creta (Tt 1.5).



FINALIDADE: Visa a instruir acerca da organização da igreja e com respeito ao estabelecimento de presbíteros e bispos, prevenindo-os contra os falsos mestres, especialmente contra  o espírito vicioso dos cretenses (At 1.12). A carta é curta e contém apenas 3 capítulos com 46 versículos. Nesse espaço limitado , abrange doutrina, moral e disciplina. Acerca dela, disse Lutero: - "É uma epístola curta, mas contém um resumo da doutrina cristã".



FUNDAÇÃO DA IGREJA EM CRETA: Não sabemos com certeza a origem ou data da fundação da igreja em Creta. Quando Paulo ali chegou, já havia crentes. O que podemos afirmar é que no dia de Pentecoste, em Jerusalém, muitos cretenses estavam lá; ouviram a mensagem de Deus pelo apóstolo Pedro (At 2.11-41), testemunharam o derramamento do Espírito Santo e muitos creram no Senhor Jesus, tendo, ao voltarem a sua terra, pregado a mensagem pentecostal.



DIVISÃO: Divide-se o livro em duas partes:



(1) - Ordem e doutrina na Igreja - Capítulo 1; e



(2) - A conduta da Igreja - Capítulos 2 e 3.





V - OS ENSINOS DO EVANGELHO DA PROSPERIDADE EM CONFRONTO COM A BÍBLIA:




PROSPERIDADE = VENTURA, FELICIDADE. Segundo o ensinamento anti-bíblico sobre a prosperidade cristã, todo crente tem que ser rico, não morar em casa alugada, ganhar bem, ter saúde plena e nunca adoecer. Caso não seja assim, é porque está em pecado ou não tem fé. De fato, Deus deseja que Seus filhos sejam prósperos. Mas não sê-lo não significa estar em pecado, falta de fé ou ausência da bênção divina.



Baseiam-se em três pontos a serem considerados:



(1) - AUTORIDADE ESPIRITUAL;



(2) - SAÚDE E PROSPERIDADE; e



(3) - CONFISSÃO POSITIVA.



1 - AUTORIDADE ESPIRITUAL:



1.1 – “PROFETAS HOJE” – Ensinam que Deus tem dado autoridade (unção) a profetas nos dias atuais, como seus porta-vozes e que recebem novas revelações diretamente do Senhor.



QUE DIZ A BÍBLIA - O ministério profético, nos termos do AT, durou até João (Mt 11.13). Os profetas de hoje são os ministros da Palavra (Ef 4.11). Os profetas do AT foram usados por Deus (dentre outras coisas) para revelarem o Plano do Senhor para a humanidade; nada poderá ser-lhe acrescentado ou retirado. Já o dom de profecia (1 Cor 12.10) não confere autoridade profética para efeito de “novas revelações”; provê edificação, exortação, consolo, advertência e julgamento (I Cor 14:3, 25-26, 31).



1.2 - "AUTORIDADE DAS REVELAÇÕES" - Deriva das "visões, profecias, entrevistas com Jesus, curas, palavras de conhecimento, nuvens de glória, rostos que brilham e cair no Espírito".



O QUE DIZ A BÍBLIA - A Palavra de Deus garante autoridade aos servos do Senhor (Lc 24.49; At 1.8; Mc 16.17,18). Ela deriva da fé no Nome de Jesus e da Sua Palavra. Não pode existir qualquer "nova revelação" da vontade de Deus. Tudo está na Bíblia (At 20.20; Apc 22.18,19). Paulo recebeu revelação extraordinária, mas não a escreveu nem a revelou (2 Cor 12.1-6).



1.3 – “HOMENS SÃO DEUSES” - "Você é tanto uma encarnação de Deus quanto Jesus Cristo o foi..." (Hagin, Word of Faith, 1980, p. 14). "Você não tem um deus dentro de você. Você é um Deus" (Kenneth Copeland, fita cassete The Force of Love, BBC-56). "Eis quem somos: Cristo!" (Hagin, Zoe: A Própria Vida de Deus, p.57). "Eu sou um pequeno Messias" (Hagin, citado por Hanegraaff, p. 119). Baseiam-se, erroneamente, no Sl 82.6, citado por Jesus em Jo 10.31-39.



O QUE A BÍBLIA DIZ - Satanás, no Éden, incluiu no seu engodo que o homem seria "como Deus” (Gn 3.5). Isso é doutrina de demônio. Em Jo 10.34, Jesus citou o Sl 82.6-7, mostrando a fragilidade do homem e não sua deificação (Nm 23.19; 1 Sm 15.29; Os 11.9; Ex 9.14). Fomos feitos semelhantes a Deus, mas não somos iguais a Ele: Ele é Onipotente (Jó 42.2); nós, frágeis (1 Cor 1.25); Deus é Onisciente (Is 40.13,14; Sl 147.5); nós, limitados no conhecimento (Is 55.8,9); Deus é Onipresente (Jr 23.23,24); o homem só pode estar num lugar (Sl 139.1-12). Eis o porquê da doutrina dos adeptos da prosperidade: Consideram-se deuses!



2. SAÚDE E PROSPERIDADE:



Segundo essa doutrina, o cristão tem direito à saúde e riqueza; diante disso, doença e pobreza são maldições da lei.



2.1. “BÊNÇÃO E MALDIÇÃO DA LEI” - Com base em Gl 3.13,14, ensinam que fomos libertos da maldição da lei: Pobreza; doença e morte espiritual. Tomam emprestadas as maldições de Dt 28. Hagin diz que os cristãos sofrem doenças por causa da lei de Moisés.



O QUE DIZ A BÍBLIA – Em Gl 3, Paulo refere-se à maldição da lei a todos os homens que permanecem no pecado. A igreja não se encontra debaixo da maldição da lei de Moisés (Rm 3.19; Ef 2.14). Hagin diz que ficamos debaixo da bênção de Abraão (Gl 3.7-9), que inclui não ter doenças e ser rico. Ora, Abraão foi abençoado por causa da fé e não das riquezas ou da confissão positiva. Os teólogos da prosperidade dizem que Cristo, na Cruz, "removeu não somente a culpa do pecado, mas os efeitos do pecado" (Pieratt, p. 132). Mas isso não é verdade, pois Paulo diz que "toda a criação geme", inclusive os crentes, aguardando a completa redenção (Rm 8:22-23).



2.2. “O CRISTÃO NÃO DEVE ADOECER” - Ensinam que "todo cristão deve esperar viver uma vida plena, isenta de doenças"; viver de 70 a 80 anos, sem dor ou sofrimento. Pregam que Is 53.4,5 é algo absoluto. Fomos sarados e não existe mais doença para o crente.



O QUE DIZ A BÍBLIA - (Jo 16.33) – Os companheiros de Paulo adoeceram (Fp 2.30). Timóteo tinha uma doença crônica (1 Tm 5.23). Trófimo ficou doente (2 Tm 4.20). Essas pessoas não tinham fé? Jesus curou enfermos e citou Is 53.4,5 cf. Mt 8.16,17. Porém, no tanque de Betesda, havia muitos doentes, mas Jesus só curou um (Jo 5.3,8,9). Deus cura, sim. Mas não cura todas as pessoas. Se assim fosse, não haveria nenhum crente doente. Deve-se considerar o desígnio e a soberania divina



2.3. “O CRISTÃO NÃO DEVE SER POBRE” – Enfatizam muito que o crente deve ter carro novo, casa nova (jamais morar em casa alugada!), as melhores roupas, uma vida de luxo. Jesus andou no "cadillac" da época, “o jumentinho”. Isso é ingênuo, pois o "cadillac" da época de Cristo seria a carruagem de luxo, e não o simples jumentinho.



O QUE DIZ A BÍBLIA – (Dt 15:11; Jo 12:5-8) - A Palavra de Deus não incentiva a riqueza e nem santifica a pobreza (Fp 4.11,12 cf Mt 19:23; Lc 10:42; 12:15). Os apóstolos não foram ricaços, mas homens simples, sem a posse de riquezas materiais (At 3:6a).



3. CONFISSÃO POSITIVA:



Está incluída na "fórmula da fé", que Hagin diz ter recebido diretamente de Jesus:



1) "Diga a coisa, positiva ou negativamente; tudo depende do indivíduo. De acordo com o que o indivíduo quiser, ele receberá”.



2) " Faça a coisa. Seus atos derrotam-no ou lhe dão vitória. De acordo com sua ação, você será impedido ou receberá".



3) "Receba a coisa. Compete a nós a conexão com o dínamo do céu. A fé é o pino da tomada. Basta conectá-lo”.



4) "Conte a coisa a fim de que outros também possam crer”. Para fazer a "confissão positiva", o cristão dever usar as expressões: exijo, decreto, declaro, determino, reivindico, em lugar de dizer: peço, rogo, suplico. Jamais dizer: "se for da tua vontade", pois isto destrói a fé.




O QUE A BÍBLIA DIZ - Jesus orou ao Pai, dizendo: "Se é da tua vontade...faça-se a tua vontade..." (Mt 26.39,42); leiamos ainda Mt 7:7-11; Mc 1:40; 5:21-23; 8:22; Lc 4:37-38; 7:1-3; Jo 4:46-47; 14:16; 17:1, 9, 20.




VI – OS VERDADEIROS PRÓSPEROS:




(Ec 5:10-20) - São aqueles que nada têm, mas possuem tudo. São aqueles que sabem que não têm tudo, mas sabem também que nada lhes faltará - II Cor 6:10; Sl 23:1; Fp 4:10-14 cf Hb 13:5



São aqueles que, apesar de todas as dificuldades, vivem tranquilos, valorizando e buscando as coisas lá do alto por serem superiores às daqui da terra (Mt 6:19-21; Cl 3:2; I Tm 6:7-10, 19)



São aqueles que não andam ansiosos quanto à comida, bebida e vestuário, mas buscam em primeiro lugar o reino de Deus (Mt 6:25-33)



Assim, é necessário que a Igreja busque a maturidade no sentido de entender que a prosperidade é bênção de Deus, evitando, porém, os exageros e os equívocos da Teologia da Prosperidade. Prosperidade significa alcançar o poder do Espírito, sentir a presença de Cristo e ser tomado de toda plenitude de Deus (Ef 3:14-21).




VII – APOSTASIA:



APOSTASIA significa: Apartar; Decair; Desertar; Rebelar-se; Abandonar; Retirar-se ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado; Renunciar voluntariamente à fé; Negar a fé, renunciando a verdade tal como se recebeu no princípio; Abandonar premeditada e conscientemente a fé cristã.



O apóstata abandona a fé cristã e não abandona a cristandade, causando grande estrago na seara do Mestre.



Por exemplo: Jo 6:60-71 - Judas foi eleito apóstolo depois de uma noite inteira de oração. Ele foi escolhido dentre muitos outros. Mas Judas abriu asas na direção do diabo e se tornou sua presa e possessão. Renunciou à fé e seguiu o caminho da morte, por suicídio.



I Tm 4.1 - O apóstata é especialista em trazer e plantar ervas daninhas na lavoura de Deus. Põe veneno na panela, tais como: ataca a soberania de Deus, Jd 4; nega a divindade de Cristo, At 4.12; mata a viva esperança do povo de Deus, negando a realidade da vinda de Cristo, 2 Pe 3.1-10.




VIII - PASSOS QUE LEVAM À APOSTASIA:



O crente, por sua falta de fé, deixa de levar plenamente a sério as verdades, exortações, advertências, promessas e ensinos da Palavra de Deus (Mc 1:15; Lc 8:13; Jo 5:44, 47; 8:46)



Quando as realidades do mundo chegam a ser maiores do que as do reino celestial de Deus, o crente deixa paulatinamente de aproximar-se do Senhor através de Cristo (Hb 4:16; 7:19, 25; 11:6)



Por causa da aparência enganosa do pecado, a pessoa se torna cada vez mais tolerante à vida pecaminosa. Já não ama a retidão, nem odeia a iniquidade (I Cor 6:9-10; Ef 5:5; Hb 1:9; 3:13)



Por causa da dureza do seu coração e da sua rejeição dos caminhos de Deus, não faz caso da repetida voz e repreensão do Espírito Santo. Assim, o Espírito do Senhor se entristece, Seu fogo se extingue e Seu templo é profanado. (Hb 3:8, 10, 13; Ef 4:30 I Ts 5:19-22; Hb 3:7-11; I Cor 3:16)



Finalmente, o Espírito Santo se afasta daquele que antes era crente (Jz 16:20; Sl 51:11; Rm 8:13; I Cor 3:16-17; Hb 3:14).




IX - DANOS CAUSADOS PELOS APÓSTATAS:



(1) - Negam a inspiração divina da Palavra de Deus;



(2) - Introduzem doutrinas de demônios;



(3) - Induzem o rebanho a ser guiado por grandes líderes e não por sacerdotes;



(4) - Divinizam o homem e humanizam Deus;



(5) - Desqualificam o ministério da Igreja;



(6) - Cristo deixa de ser a Estrela da manhã no culto e as músicas, as coreografias, as apresentações, os pregadores são exaltados;



(7) - Transformam a Igreja em verdadeiros clubes sociais;



(8) - Transformam a Igreja em empresa e o rebanho em produtos;



(9) – Líderes transformam-se em empresários “gospel” e garotos propaganda.




X – CONSIDERAÇÕES FINAIS:



Há um limite para a paciência de Deus (I Sm 3:11-14; Mt 12:31-32; II Ts 2:9-11; Hb 10:26-31; I Jo 5:16)



Se a apostasia continuar sem freio, o indivíduo chegará, finalmente, ao ponto em que não seja possível um recomeço, não havendo mais possibilidade de arrependimento e de salvação (Hb 6:4-6; Dt 29:18-21; I Sm 2:25; Pv 29:1)



Logo, a única salvaguarda contra o perigo da apostasia extrema está na admoestação do Espírito Santo (Hb 3:7-8, 15; 4:7)


FONTES DE PESQUISA E CONSULTA:

Sintetizando a Bíblia - CPAD - José Apolônio da Silva

Estudos Bíblicos Didaquê Volume XXVIII - Didaquê a Serviço do Rei

Bíblia Apologética - Instituto Cristão de Pesquisa

Bíblia Sagrada, ERC. Ed. Vida, S. Paulo, 1982.

GONDIM, Ricardo. O Evangelho da Nova Era. Abba, S. Paulo, 1993.

HANEGRAAFF, Hank. Cristianismo em Crise. CPAD, Rio, 1996.

ROMEIRO, Paulo. Super Crentes. Mundo Cristão, S. Paulo, 1993.

Dic. Aurélio

Através da Bíblia Livro Por Livro - Editora Vida - Myer Pearlman

A Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD